Sobre a Raça



Carinhosamente chamados de “beardies” e conhecidos também como Collie de Barba ou Collie Barbudo, estes cães existem no Reino Unido há pelo menos três séculos, e acredita-se seja uma das raças britânicas mais antigas. Dentre as muitas teses existentes, uma das freqüentemente citadas é de que do intenso comércio que a Escócia mantinha com a Polônia, há o registro de 3 Polish Lowland Sheepdogs que foram trazidos para a Escócia e a mistura destes 3 exemplares com cães pastores locais pode ter dado origem à raça.

O que é certo afirmar, é que são descendentes dos vários pastores encontrados na Europa Central há séculos, que foram se cruzando até dar origem às várias raças de pastores hoje identificadas originários deste continente.

Pertenciam principalmente a trabalhadores rurais, tendo sido mais valorizados e selecionados por sua capacidade de trabalho do que por sua beleza. Tiveram papel importante em pastoreio e nas travessias de gado das Terras Altas para os mercados nos séculos 17 e 18.

Embora tenha ganhado alguma popularidade nas exposições no final do século 19, a raça quase foi extinta com o evento da Primeira Guerra Mundial, e foi salva em meados de 1940 pela Senhora Wendy Willinson. Ela havia encomendado a um senhor um filhote de Pastor de Shetland e para sua surpresa recebeu um filhote de Bearded Collie. Encantou-se pelo temperamento, inteligência e instinto de pastoreio do filhote, decidindo mantê-lo; graças aos seus esforços, voltou a promover e incentivar o desenvolvimento da raça. Hoje é possível traçar a maioria dos pedigrees até seus dois primeiros beardies, Jeannie e Bailey of Bothkennar.

Atualmente o bearded collie não é tão largamente utilizado como cão de trabalho, sendo, no entanto, apreciado por sua versatilidade. É excelente cão de companhia, atuando também com sucesso em exposições de beleza, pastoreio, obediência, agility e outros.


Possuem um admirável senso de humor, e parecem estar sempre de bem com a vida. Além disto, são muito sociáveis, tanto com pessoas, outros cães e até mesmo outros animais. Adoram crianças, são devotos a estes e se acostumados desde pequenos, são bastante cuidadosos. Deve-se lembrar, no entanto, que são cães pastores e podem querer pastorear os pequeninos, como se fossem seu rebanho.

São cães dóceis e confiáveis, e não devem demonstrar traços de timidez exagerada ou agressividade. Equilíbrio é uma característica marcante: são normalmente carinhosos, porém não demandam uma atenção exagerada e não pedem carinho o tempo todo.

Família, deitando-se próximos e acompanhando as pessoas pela casa. Se deixados do lado de fora o tempo todo, sem contato com a família, serão tristes e frustrados. Procurarão distrair-se sozinhos, e esta distração poderá transformar-se em destruição. Se tiverem a atenção necessária, no entanto, serão cães bastante comportados e nada destrutivos.

Precisam exercitar-se, física e mentalmente. Recomenda-se pelo menos 30 minutos de exercícios diários e seu treinamento nunca deve ser repetitivo, pois se entediam facilmente. São muito inteligentes, porém seu espírito mais independente (lembre-se, são pastores e espera-se dos mesmos que trabalhem sob comandos do dono, porém tomem algumas decisões por si só na condução de seu trabalho) requer que seu treinamento seja conduzido pela freqüência, não consecutiva repetição. Quero dizer com isso que ao invés de uma longa sessão de senta ou deita duas vezes por semana, deve-se repetir diariamente, por duas ou três vezes apenas os comandos. Desta forma o bearded collie considerará o treinamento divertido e aprenderá com extrema facilidade. É importante dizer que é uma raça que tem muito prazer em agradar aos seus donos.

É devoto a toda a família e não costuma escolher um único dono. Cuida de todos, e gosta de ver sua família reunida, como um rebanho.

Uma de suas características mais marcantes é sua expressão alerta e curiosa. São bastante curiosos e seu olhar e comportamento demonstra isto claramente. Estão sempre dispostos a conferir tudo de novo que passa em seu caminho.

São cães de porte médio, com seu tamanho variando entre 51 a 56 cm, sendo as fêmeas no geral um pouco menores do que os machos. São mais compridos do que altos, na proporção de 5:4 (comprimento:altura) e seu peso varia entre 18 a 27kg.


Existem nas cores preta, azul, marrom e areia, com ou sem marcas brancas e com diversas tonalidades, variando por exemplo, na cor preta, do preto intenso ao cinza ardósia. Nascem com uma coloração intensa (uma das quatro mencionadas), porém é impossível prever qual a tonalidade definitiva quando filhotes. Após os quatro meses, a tonalidade começa a variar e é normal que a pelagem clareie, em muitos casos chegando a ficar totalmente branco, voltando a escurecer a partir do segundo ano. Durante toda a sua vida a tonalidade irá variar, porém a partir de três anos esta variação passa a ser mínima e já se sabe a tonalidade definitiva. A variação ocorre dentro de uma mesma ninhada, entre irmãos e podem também nascer todos de uma única cor, ou mesmo as quatro cores na mesma ninhada. A regra aqui é ditada por um fator genético bem complexo, baseado nos pais e nos fatores que os mesmos carregam.


Aspecto geral

Tamanho médio, com Uma pelagem de comprimento médio, moderadamente pernalta, de tronco longo de constituição forte sem ser pesado. Expressão marcantemente inquisidora.

Talhe - altura: machos 53 a 56 cm e fêmeas 51 a 53 cm.

- comprimento: (padrão não comenta).

- peso: (padrão não comenta).

Pelagem - dupla, com subpêlo macio, denso e fechado, o pelo é liso, forte áspero e desalinhado. Embora seja permitido um ondulado suave, a pelagem não é lanosa nem produz encacheado.

Cor - nascem pretos, azuis, marrons ou castanhos, com ou sem marcas brancas e tendem a clarear com a maturidade: os pretos, para as tonalidades cinza, do preto ao cinza azulado, ou prateado; os marrons, podem variar do chocolate ao vermelho; os azuis e os castanhos, das tonalidades mais escuras até as mais claras. O branco aparece no focinho na forma duma faixa, no crânio, em torno do pescoço, no peito, na ponta da cauda pernas e patas. Marcas castanho são ocasionais. A cor das pálpebras trufa e lábios acompanham a da pelagem: preta, nos pretos; cinza azulado nos azuis; nas varias gamas de marrons, nos marrons.

Cabeça - CF= 1:1

Crânio - largo e chato com arcadas superciliares arqueadas para os lados e bastante longas.

Stop - moderado.

Olhos - grandes, inseridos na superfície da pele, bem separados. A cor acompanha a da pelagem: nos azuis e nos castanhos os olhos podem assumir tonalidades mais claras. Ideal é o marrom escuro.

Orelhas - tamanho médio, inseridas no mesmo nível dos olhos, revestidas por pêlos longos e portadas caídas rente as faces. Em atenção, elevam-se, ligeiramente, na base.

Focinho - forte e cheio.

Trufa - grande, quase quadrada; preta nos pretos, cinza azulado nos azuis, marrom nos marrons, e castanho nos castanhos, sempre conforme a cor da pelagem ou preta.

Lábios - pigmentados igual à trufa, conforme a cor da pelagem.

Mordedura - em tesoura. Desejável 42 dentes.

Tronco - 5:4 mais longo que alto.

Pescoço - forte e ligeiramente arqueado.

Dorso - de nível.

Lombo - forte.

Costelas - bem arqueadas, no terço dorsal e, lateralmente, achatadas.

Peito - mínimo no nível dos cotovelos.

Ventre - (padrão não comenta).

Garupa - curva, funde-se suavemente com a linha superior


Membros 

Ombros - escápulas inclinadas a 45°.

Anteriores - retos, boa ossatura ombros bem localizados no tórax, escapulas longas, formam, com úmeros, de comprimento igual, um angulo próximo a 90° Cotovelos bem ajustados, trabalhando rente ao tórax. Metacarpos flexíveis.

Posteriores - coxas largas, bem musculadas, bem anguladas no joelho, jarretes curtos, fortes e, por trás, paralelos e bem aprumados, sem ergôs. De perfil e em stay, a perpendicular que passa pela ponta do ísquio deve recair à frente da pata.

Patas - ovais, dedos arqueados e compactos, com almofadas plantares bem acolchoadas e corretamente direcionadas para a frente.

Cauda - inserção baixa, comprimento mínimo, até o nível dos jarretes. Normalmente portada baixo, fazendo, quando em repouso, uma espiral para cima, na ponta. Em movimento, a curva se acentua, podendo erguer a cauda ate o limite máximo da posição vertical.

Movimentação 

Com desenvoltura, vigorosa e flexível. O equilíbrio está no bom alcance nos anteriores e forte propulsão nos posteriores. O dorso se mantém nivelado. As patas recolhem-se, o suficiente, para não tocar o solo, parecendo que o cão desliza, quase sem contato com o solo. Visto por trás, os membros movimentam-se em planos paralelos. Com o aumento da velocidade, as patas convergem para a linha central.

Faltas

Avaliadas conforme a gravidade.

Faltas graves - focinho pontudo; garupa plana ou caída; pelagem excessivamente longa ou sedosa; pelagem aparada ou modelada; altura fora dos limites.

DESQUALIFICAÇÕES - as gerais.



APOIO: